[REVIEW] HSBC ARENA – 22/10/2015

Relembrar é viver! Então que tal acompanhar um dos dias mais importantes para os fãs de Muse no Brasil neste ano de 2015?

O fator chuva, aliado a dificuldade que é chegar até a Barra em uma quinta-feira, fez com que muitos acabassem chegando após o ótimo show de abertura da banda Kita.

meet-rj-hsbcEnquanto isso, nós da equipe juntamente com outros sortudos, participávamos de um breve encontro com a banda, que foi muito receptiva e simpática, abraçando todos os presentes. Agradecimentos a T4F e a Warner Music Brasil, que foram parceiros durante a divulgação do evento.

Com um atraso considerável, o show começou ás 22:39 com Drill Sargent dizendo a todos que Psycho estava chegando, fazendo com que os mais impacientes esquecessem qualquer contratempo que pudesse atrapalhar a felicidade de ver novamente a banda tocando em solo carioca. A canção foi bem recebida e acompanhada com gritos de “Aye Sir” a cada ordem do sargento, além dos gritos histéricos do pessoal na grade.

Neste momento já era considerável o público na HSBC Arena. Os espaços vazios vistos minutos antes do show iniciar já eram bem menores. As áreas da área pista comum e premier recebiam pessoas a todo momento.

Melhor local para poder receber o poder de Reapers, onde curiosamente foi possível escutar sonoros aplausos em seu final. A sinergia da banda em sua execução é seu ponto forte a todo momento.

Sem tempo para descanso, o hino Plug In Baby, que por mais de uma década foi o ápice desde apresentações da banda, vem em sequencia como único suspiro do tão aclamado Origin of Symmetry. É impossível pensar em um show onde esta canção não faça o público pular e cantar “oh oh oh” durante o tão famoso riff. No Rio não foi diferente.

The Handler ainda esta em minha cabeça. Suas variações tão alinhadas, prenderam mesmo quem não escutou o último álbum de estúdio, Drones. E então, vem Unsustainable. O Dubstep colocou alguns para bater cabeça na pista enquanto a próxima canção não iniciava.

Rapidamente, ao grito de Dead Inside, um dos momentos em que mais esperava no show. O Flashmob que organizamos estaria sendo colocado a prova.

Não importa se alguns ligaram no inicio ou meio da música. Só temos a agradecer a todos que nos acompanham e puderam deixar essa canção tão bonita aos olhos da banda.myh

Chris então foi a frente da rampa, onde após muitos gritos de “Olê Olê Olê Olê, Musê, Musê!”, iniciou a desejada Hysteria, fazendo muitos pularem abraçados na pista e também na arquibancada. O riff de Back in Black sempre agrada os mais saudosistas, devido bela execução.

Enquanto assistia ao show, também realizava a cobertura via Twitter, onde criávamos a expectativa da canção a qual levantamos campanha fosse executava. #PlayMuscleMuseumInBrazil.

As primeiras notas vieram a denunciar: Muscle Museum! De fato, não foi algo que empolgou a HSBC Arena, mas sim, alguns fãs mais antigos, ainda mais com Bellamy errando o segundo estrofe da música e rindo muito juntamente a Wolstenholme. De qualquer forma, Matt cumpriu o prometido e executou a canção.

Em sequencia, o público com palmas, saudava a poderosa Apocalypse Please, sempre em sequencia do belo Jam entre Chris e Dom. E para amolecer o coração dos fãs, inclusive dos que vêem o The 2nd Law com maus olhos, Madness chegou e fez toda a Arena cantar a plenos pulmões.

O show seguiu com uma sequência de músicas conhecidas, as primeiras notas de Supermassive Black Hole levaram o público ao delírio, fazendo as pistas todas pularem e a Arena cantar em uníssono, o mesmo ocorreu com a que deu seguimento ao show, Time is Running Out.

Matt-hsbc-22-10-2015

Foto de Julia Miranda

Outra que chegou para amolecer os corações mais duros foi Starlight, que fez o público bater palmas no ritmo da música e formar um lindo coro. Durante a rebelde Uprising o público ficou mais parado, mas o refrão foi maravilhosamente cantado por todos. Após Uprising a banda saiu do palco, anunciando que o show estava chegando ao fim e era hora do bis. Nesse momento entra Mercy, música que recebeu muitas críticas, mas fez até os mais receosos em relação ao Drones se animarem e cantarem sob uma chuva torrencial de confetes (que, aliás, mancharam a pele de muita gente, demandando umsetlist-muse-rj bom esforço para remover a tinta).

Por fim surge Chris com sua gaita para tocar Man With A Harmonica, introduzindo a clássica Knights of Cydonia, que levou todos ao delírio, já fazendo os fãs sentirem saudades da banda. Tanto a ela quanto o público poderiam estar mais animados, mas, apesar do setlist curto, foi um show que satisfez do fã mais novo ao mais antigo e saudosista. Ter a passagem da turnê do novo álbum e a oportunidade de ver as novas e incríveis músicas ao vivo, com direito ao grande sonho realizado de ver Muscle Museum no Brasil fez tudo valer a pena.

Por Yasmin Venâncio 

The following two tabs change content below.
John

John

Fundador do MUSE BR. De tudo um pouco por aqui desde 2008.
John

Latest posts by John (see all)

COMENTÁRIOS