Tudo sobre a banda britânica Muse formada por Matt Bellamy, Dom Howard e Chris Wolstenholme.

Instagram Facebook Twitter

Entrevista para o Muselive

Há algumas semanas o fã site Muselive pediu aos fãs que enviassem perguntas que eles gostariam de fazer para a banda. Apenas um dia antes de embarcarem em sua maior turnê em estádios até o momento, estamos felizes em publicar uma seleção das respostas traduzidas.

 
MATT

Há muito debate envolvendo a letra de Madness. É “I need YOUR love” ou “I need TO love”?

-I need your love.

O que você escreveu na laranja durante a produção do T2L?

-Provavelmente algo encorajando Dom a se esforçar um pouco mais para chegar ao tom certo. Ele precisa de um pouco de motivação de vez em quando.

Se houvesse uma coisa que você pudesse mudar no mundo (paz mundial, meio ambiente, economia, política, fome, musica ruim, aranhas, qualquer coisa), o que seria?

– Eu esperaria por inovações, ao invés de mudanças. Por exemplo: a fusão do Helio-3 para criar energia limpa com custo baixo. Uma revolução dessas resolveria a maioria dos problemas que você mencionou, fora a música ruim e as aranhas. Uma inovação energética significaria que o petro-dolar ou qualquer future petro-moeda não teria nenhum poder e a maioria das guerras acabaria. Catástrofes naturais globais é uma certeza, é apenas uma questão de tempo. Qualquer civilização que não encoraja enormemente o progresso científico visando à expansão além do nosso planeta vai acabar sumida e esquecida. Preservação, conservação e sustentabilidade vai nos ganhar algum tempo, eu acho…

Em dezembro nós vimos um photoblab de vocês praticando Falling Away With You – vocês estão planejando tocar ao vivo?

– Provavelmente não é a coisa certa para o estádio, mas nós a temos tocado um pouco recentemente e pode ser tocada em algum lugar.

Big Freeze é a única faixa do T2L que não foi tocada ao vivo. Vocês a estão guardando para alguma ocasião especial?

– Parece que sempre tem uma música de todo álbum que nunca é tocada ao vivo. Tenho certeza de que a tocaremos um dia.

 

DOM

Vários dos nossos membros [do fã site] perguntaram sobre um possível sucessor para o famoso show do Origin of Symmetry em Reading/Leeds. O Absolution comemorará seu décimo aniversário em breve – algum plano para fazer isso de novo?

– Nós não planejamos nada ainda, mas como o aniversário está chegando este ano e nós estamos na estrada é possível que façamos algo qualquer hora. O show do Origin no Reading foi ótimo de se tocar então seria legal tentar algo parecido.

Nós adoraríamos uma versão de estúdio de Sign ‘O’ The Times – por favor?

– Ok! Na próxima vez que estivermos num estúdio, vamos tentar. É divertido tocar.

Baixar músicas parece ser a norma nos dias de hoje; vocês planejam lançar algum single físico no futuro ou vocês veem isso como uma mídia morta? O declínio nos singles físicos impactou sua abordagem às b-sides?

– Bom, infelizmente ninguém mais compra singles físicos então as gravadoras, as bandas e artistas estão menos propensos a fazê-los.  A conveniência de baixar um single em poucos segundos e já tê-lo direto em seu telefone ou iPod é difícil de bater. Eu sempre fui fã de produtos físicos e gostava de lançar singles e ter que produzir b-sides e artworks legais que ficam legais numa coleção. Eu adorava um bom b-side quando eu costumava comprar singles físicos, parecia um jeito legal de gastar meu dinheiro. Embora o single me custasse umas £6.50, incluindo uma viagem de trem até a cidade vizinha para ir compra-lo. Mas sim, infelizmente as b-sides estão um pouco em baixa ultimamente por causa do formato. A era digital… Ah, bem… Na verdade, pensando nisto, eu não me lembro da última vez que eu coloquei um CD num CD player e apertei o play. Parece estranho e errado!

Dead Star caiu perfeitamente bem no seu show no Shepherd’s Bush Empire. Vocês tem algum plano de fazer isso acontecer na turnê nos estádios?

– Como parece ser umas das favoritas eu acho que ela pode fazer uma aparição especial nesse verão.

Por favor, nos dê uma luz – que raios significa o vídeo de Supremacy?

– É obvio, não é? Nós somos uma banda de death metal!

 

CHRIS

Primeiro de tudo… eu sei que ainda é cedo, mas você já está de olho no antigo emprego de Fergie [Alex Ferguson, ex-técnico do Manchester United]?

– Eu ficaria com muito medo dos fãs, então não. Eu começaria minha carreira de técnico num clube pequeno, como o Rotherham Utd.

Quando você consideraria a era de ouro da rock music?

– Não tenho certeza… Obviamente, para mim, os anos 60 foram onde tudo começou com pessoas como Chuck Berry, mas os anos 70 pareceu produzirem uma grande leva de bandas de rock. Os anos 90 também foram ótimos para o rock, com bandas como Nirvana, Smashing Pumpkins e Rage Against The Machine. Estas bandas foram uma grande influência.

Você aposentou o Rickenbacker? Tem estado ausente há tempos.

– Sim, está no meu estúdio em casa. Minha coleção para a turnê estava se tornando muito grande e eu reduzi o número para este álbum. Eu acho que os status bass são ótimos baixos para turnê e, fora um 77 jazz bass, são ótimos para usar ao vivo.

Os grandes balões brancos algum dia voltarão ou eles se foram para sempre?

– Eu tenho certeza de que eles voltarão algum dia.

Se você pudesse ser invisível por apenas um dia, o que você faria e por quê?

– Eu faria um tour privado no Palácio de Buckingham. Eu adoraria ver como é a família real atrás das portas fechadas.

Comments: 1

  • dannyy

    4 de junho de 2013
    reply

    Chris só nas curiosidades das fofoca… so do I.

Leave a Comment

%d blogueiros gostam disto: