Tudo sobre a banda britânica Muse formada por Matt Bellamy, Dom Howard e Chris Wolstenholme.

Instagram Facebook Twitter

PRINCIPAIS EQUIPAMENTOS USADOS POR MATT BELLAMY!

mansons

 

Vocês pediram e o MUSEBR atendeu, para facilitar a vida de muitos guitarristas e fãs curiosos, veremos os principais equipamentos do nosso amado Matt Bellamy, que exala excentricidade não só nas sonoridades conquistadas, mas também no visual e na complexidade do seu set.
É muito importante ressaltar que o Matt possui uma infinidade de pedais, guitarras e amplificadores, mostraremos aqui o principal. Seria pretensioso demais tentar desvendar cada milímetro do set, portanto, se você busca a ordem da cadeia de pedais, qual foi o posicionamento do microfone usado para gravar o amplificador X, essa matéria não é para você, aqui focaremos na base, afinal, é inviável reproduzir um som 100% fiel ao do álbum em casa, pois vários fatores externos também influenciaram o resultado conquistado.

 

 

GUITARRAS

 

 

Vamos começar pelo que chama mais atenção: as guitarras. Antes de ter as icônicas Mansons, Matt também já usou guitarras mais convencionais, como a Ibanez Iceman (Hullabaloo), Gibson Les Paul DC Lite (início dos anos 2000) Gibson SG (Absolution); Peavey EVH Wolfgang (usada na turnê do álbum Showbiz); Yamaha Pacífica (usada até os anos 2000); Parker Fly (também usada durante a turnê do Showbiz).
A partir do álbum Origin Of Symmetry as Mansons começaram a surgir. Primeiro a CE-7, uma guitarra de 7 cordas que não foi feita especialmente para o Matt, o modelo aparece no making of da gravação de The Globalist; as guitarras com o design feito pelo Matt em parcera com Hugh Manson tiveram início com a 007 e a Delorean, a partir daí surgiram diversos outros modelos, vejamos os principais.

 

Manson CE-7
CE-7

● Corpo : Mogno;

● Braço : Maple;

● Escala : Jacarandá;

● Captadores : Kent Armstrong 7 string

Manson Delorean
delorean

● Corpo : Poplar;

● Braço : Maple;

● Escala : Jacarandá;

● Captadores : Seymour Duncan Hot P90 no braço, Kent Armstrong Motherbucker na ponte e um captador MIDI Roland GK-2A .

O acabamento feito com alumínio foi inspirado no filme De Volta Para o Futuro, além disso, a guitarra possui dois efeitos embutidos: ZVEX Fuzz Factory e o MXR Phase 90.

Manson 007
007

● Corpo : Mogno;

● Braço : Maple;

● Escala : Jacarandá;

● Captadores : No braço estão o Seymour Duncan P90 e o Fernandes Sustainer FSK401, e na ponte está um Bare Knuckle Mississippi Queen, que substituiu um Kent Armstrong Motherbucker).

Essa é uma das guitarras mais incríveis, possui uma infinidade de tecnologias embutidas, além do Sustainer (captador que cria um campo magnético que faz a corda vibrar “infinitamente”), essa maravilha possui também um ZVEX Wah Probe, um ZVEX Fuzz Factory, e uma MIDI Strip (versão reduzida da famosa tela colorida), além de LEDs azuis nas marcações laterais do braço.

Manson Bomber
bomber

● Corpo : Mogno;

● Braço : é o braço de uma Ibanez Superstrat;

● Escala : Jacarandá;

● Captadores : Rio Grande Jazzbar no braço e Bare Knuckle Nailbomb na ponte). Além do incrível acabamento cromado, essa guitarra possui uma ponte Floyd Rose e uma MIDI Strip

Manson Laser
laser

● Corpo : Mogno;

● Braço : Maple;

● Braço : Jacarandá;

● Captadores : Bare Knuckle Mississippi Queen no braço, substituindo um Rio Grande Bastard, e um Bare Knuckle Nailbomb na ponte, além de um captador MIDI Roland GK-2A).

Essa guitarra possui acabamento em alumínio (lados e traseira) e espelho (frente), além de lasers embutidos, junto com um ZVEX Fuzz Factory e um MXR Phase 90.

Manson Mirror
mirror

● Corpo : Madeira desconhecida;

● Braço : Maple;

● Braço : Jacarandá;

● Captadores : Bare Knuckle Mississippi Queen P90 no braço e o humbucker de mesmo modelo na ponte).

Como o nome já diz, possui acabamento em espelho e um ZVEX Fuzz Factory e um MXR Phase 90 embutidos.

Manson Chrome Bomber
Chrome Bomber

● Corpo : Madeira desconhecida;

● Braço : Maple;

● Braço : Jacarandá;

● Captadores : Bare Knuckle P90 no braço e Bare Knuckle Nailbomb na ponte.

Baseada na Bomber, mas com um ZVEX Fuzz Factory e sem a MIDI Strip.

Manson M1D1 Mirror
M1D1 Mirror

● Corpo : Mogno;

● Braço : Maple;

● Braço : Jacarandá;

● Captadores : Fernandes Sustainer FSK101 no braço e Bare Knuckle Nailbomb na ponte

A M1D1 foi a primeira a ter o XY MIDI Pad (versão maior da MIDI Strip), foi partida ao meio e hoje é exibida na loja da Manson.

Manson M1D1 Black
MB2 SE

● Corpo : Mogno brasileiro;

● Braço :Maple;

● Braço :Rosewood;

● Captadores : Fernandes Sustainer FSK401 e dois Bare Knuckles BKP92

Foi vendida como guitarra signature como MB2-SE. Também possui o XY MIDI Pad para controlar o Korg Kaoss Pad e o Digitech Whammy (Na minha humilde opinião, a mais charmosa das guitarras do Matt)

Manson Red Glitter
Red Glitter

Corpo : Ash;

● Braço : Maple;

● Braço : Ébano;

● Captadores : Fernandes FSK401 no braço e Manson MBK2 na ponte.

Possui a mesma configuração da M1D1 Mirror, mas com o sustainer single coil, além do icônico acabamento vermelho com glitter.

Black Glitter 7 String
black glitter

● Corpo : Ash;

● Braço : Maple;

● Braço : Jacarandá;

● Captadores : Sustainiac no braço e, supostamente, Manson MBK2 na ponte.

Usada para a turnê do The 2nd Law em músicas como Survival e Liquid State

Manson Matt Black
matt black

● Corpo : Mogno;

● Braço : Maple;

● Braço : Jacarandá;

● Captadores : Fernandes Sustainer FSK401 e Manson MBK2.

Essa configuração mais simples, com menos tecnologias embutidas nas guitarras ficou mais popular a partir da turnê do The 2nd Law.

 

Novos Modelos para a Era Drones

 
Manson Copper Bomber
copper bomber

● Corpo : Mogno;

● Braço : Maple;

● Braço : Jacarandá;

● Captadores : P90 no braço e Manson MBK2 na ponte.

Além do acabamento “enferrujado”, a guitarra possui um ZVEX Fuzz Factory embutido e uma ponte Floyd Rose FRX.

Manson Matt Black Stealth
matt black stealth

● Corpo : Alder;

● Braço : Maple;

● Braço : Jacarandá

Com a mesma configuração de captadores da Matt Black, essa possui o diferencial de ter todo seu hardware preto.

Manson Metal Bomber
metal bomber

● Corpo : Mogno;

● Braço : Maple;

● Escala : Jacarandá;

● Captadores : P90 no braço e MBK2 na ponte.

Com um acabamento totalmente novo e, diga-se de passagem, estranho e sombrio, essa guitarra também possui um ZVEX Fuzz Factory embutido e uma ponte Floyd Rose.

Manson Mirror 2.0
mirror 2.0

● Corpo : Alder;

● Braço : Maple;

● Escala : Jacarandá;

● Captadores : captador desconhecido no braço e MBK1 na ponte.

Possui um ZVEX Fuzz Factory e um Phase 90 embutidos, além do acabamento em espelho.

Manson Silver Glitter Holes
glitter holes

● Corpo : Madeira desconhecida;

● Braço : Maple;

● Escala : Rosewood;

● Captadores : Fernandes FSK401 no braço e MBK2 na ponte.

Apesar da configuração comum, essa guitarra possui um acabamento bem… diferente. Além do glitter sobre a pintura preta, ela é enfeitada com diversos buracos.

 

 

MODELOS SIGNATURE

 

 

Existem alguns modelos disponíveis para nós, meros mortais, a Manson faz vendas periódicas do modelo MB1S, que substituiu a MB1, disponível nas cores preta e vermelha; também já foram feitos lotes exclusivos da DL1 e da MB2SE. Atualmente, visando a produção em massa, Hugh Manson fechou parceria com a marca Cort para fabricar o modelo MBC1, com braço em maple, escala em jacarandá e corpo em basswood, os captadores -um single coil e um humbucker- são criações da Manson. No exterior esse modelo possui um preço mais acessível (na faixa de £500), apesar de ainda ser caro, é uma bagatela perto das quase £4000 cobradas por uma Manson original, resta saber quando – e a que preço- essas signatures fabricadas pela Cort chegarão em território brasileiro.

Agora em Outubro a Manson presenteou os fãs mais abastados com três novidades incríveis, não apenas farão um novo lote de 25 DeLoreans (que há tempos não eram fabricadas), mas também liberaram um lote de 25 Ali Tops, chamadas por eles de SDL-1, pois essa guitarra tem o apelido de “Son of DeLoren” (filho de DeLorean), e… um lote de 99 DR-1s, as guitarras inspiradas no mais novo álbum da banda! As unidades inspiradas em Drones serão numeradas individualmente, e o Matt garantiu para si as duas primeiras unidades, que serão usadas na turnê, posteriormente essa guitarra entrará em uma linha de produção igual a das demais signatures, em lotes pequenos, mas sem numeração individual.

 

cort signature

Cort MBC-1

 

mbse2 signature

MB2SE

 

manson ali

Ali Top (SDL-1)

 

manson dr

DR-1

 
 

Apesar de possuir uma infinidade de guitarras, percebe-se um certo padrão, por exemplo, as madeiras utilizadas para o braço e a escala são sempre as mesmas, e as madeiras do corpo não variam tanto. Quanto aos captadores, a configuração MBK2+Sustainer é a mais popular, mas nessa última turnê nota-se uma certa “volta ao passado” com algumas configurações P90+humbucker.

 

OBS: Além das guitarras supracitadas tiveram: Black MIDI (possui sistema de afinação automática), Doubleneck, Ali Top, Red Glittler 2.0, M1D1 Gloss Black, Red Carbon… entre outras, mas, para o post não ficar excessivamente gigantesco, elas foram puladas.
 

 

EFEITOS

 

 

Explicar cada efeito usado pelo Matt e sua ordem na cadeia é quase impossível, mas vamos observar os essenciais.

Distorção

Matt adora uma distorção, especialmente um fuzz, aliás, fuzz é a marca registrada dele, que sempre usou o emblemático Zvex Fuzz Factory. Além do Fuzz Factory, ele sempre mantém um Keeley Fuzz Head em seu set. No making of de The Globalist vê-se o técnico falando sobre um pedal custom de Istambul, mas a marca é desconhecida, no disco Drones é possível ver que nem todas as músicas possuem o característico fuzz, Matt certamente usou distorções mais estáveis e mais nítidas para chegar a algumas sonoridades.

Delay

Outro efeito exaustivamente usado é o delay, e isso o Matt tem de sobra… em seu rack é possível ver um Line 6 Echo Pro (no início da carreira ele usava o pedal DL4, também da Line 6), um TC Electronic 2290 e um Korg SDD3000.

Phaser

Matt usa muito o phaser, já foram vistos em seu set o MXR Phase 90, MXR Phase 100 e o Comet Ray Gun Phaser.

Outros Efeitos

Entre os demais efeitos encontram-se os famosos Digitech Whammy (ele possui tanto o V quanto o DT) e o Korg Kaoss Pad II. Também já foram vistos em seu set: Keeley compressor, TC Electronic Stereo Chorus Flanger, MXR 6 band EQ, Boss OC-2, Dunlop Cry Baby Rack Wah, DOD Graphic EQ e Boss Chromatic Tuner.

 

 

AMPLIFICADORES

 

 

Até a Era The Resistance Matt costumava usar amplificadores “de verdade”, já foi visto com um Diezel VH4, Marshall 1959 HW Reissue, Dickinson 2×12 MK2 e Egnater M4 Modular Preamp. Mas, a partir do The 2nd Law, ele pasou a usar dois Kemper Profiling Amps e e um Fractal AXE FXII. Aliás, o último álbum, Drones, foi gravado diretamente usando um Kemper.

 

 

FAÇA VOCÊ MESMO

 

 

Convenhamos, replicar o setup do Matt é tarefa impossível, além dos milhares de dólares em equipamentos, tentar reproduzir perfeitamente algo feito em estúdio é inviável. Portanto, aqui vão algumas dicas para você que quer tirar um som bacana, mas, em tempos de crise em terras tupiniquins, não tem a disposição uma quantidade estrondosa de dinheiro.
O amplificador é algo extremamente pessoal, nesse ponto não tem muito o que opinar, mas a distorção é fundamental. O ideal é ter um fuzz, se puder, o Zvex Fuzz Factory é o mais indicado, mas não é 100% necessário, escolha um bom pedal que caiba no seu orçamento e você estará bem servido. “Ah, mas eu não tenho dinheiro para um fuzz, não serve uma distorção comum?” Pode até não ser o ideal, nem o mais indicado, mas quem não tem cão caça com gato, certo? Por muito tempo eu toquei apenas com distorção, pois o fuzz não era a minha prioridade, obviamente não ficou o melhor som que eu poderia tirar, mas me serviu bem, só evitem distorções “leves”, um ProCo RAT costuma dar belos resultados.

O delay novamente mostra a máxima do “quem não tem cão, caça com gato”, o mais indicado é ter um bom delay digital, muitos fazem belos covers com o Boss DD7, ou então um Flaschback da TC Electronic, mas… eu não tenho um delay digital e consigo timbrar bem com o meu MXR Carbon Copy, se você tem um analógico e está satisfeito(a) com ele, não precisa ficar na paranoia de comprar um digital.
O phaser também cai muito bem quando se fala em cover de Muse, o MXR Phase 90 é o mais comum e é um dos usados pelo Matt, e se quiser mais versatilidade, o MXR Phase 100 é uma bela pedida.

Outro efeito que ajuda muito quando se trata de tocar Muse é o Digitech Whammy, mas esse é um efeito mais caro, então o Boss OC2 -que o próprio Matt já usou pode quebrar um galho.
Esses foram os efeitos mais comuns, quanto às guitarras, se estiver satisfeito(a) com a sua, não tem motivo para mudar. Para usar com fuzz é mais indicado uma guitarra com humbucker, mas se a sua tiver um bom single coil, não acho que terá problemas.

Fontes: Musewiki, Dunlop TV, Total Guitar e vídeos/fotos de apresentações ao vivo, gravações e guitarras quebradas.

Comments: 1

  • Antônio Goffi

    14 de outubro de 2015
    reply

    Tenho uma GT9.2tt da Zoom.
    Consegue o padrão de configuração desses efeitos nessa pedaleira?

Leave a Comment

%d blogueiros gostam disto: