Tudo sobre a banda britânica Muse formada por Matt Bellamy, Dom Howard e Chris Wolstenholme.

Instagram Facebook Twitter

11 CURIOSIDADES SOBRE O SIMULATION THEORY

Simulation Theory tem 11 músicas. O Muse BR está fazendo 11 anos. Fizemos uma lista com 11 curiosidades sobre o último lançamento do power trio!

01 – Os fãs achavam que o álbum poderia se chamar Emotionality Rush

Antes do anúncio do título do álbum, os fãs já estavam criando diversas teorias a respeito. Uma das mais populares dizia que o lançamento se chamaria Emotionality Rush, com base em dois elementos. Primeiro, uma pessoa aparece no clipe de Thought Contagion com uma fita K7 com esse nome. Segundo, vários fãs ao redor do mundo receberam bottoms nas sessões de cinema da Drones World Tour com o nome da banda e várias letras espalhadas. E as palavras que elas formavam? Simulation Theory e Emotionality Rush. São anagramas!

02 – Os clipes das músicas contam uma história

Todas as músicas do álbum ganharam um lyric video no canal oficial da banda no YouTube, e oito delas também ganharam clipes “de verdade”. Todos os clipes se passam no mesmo universo e contam uma história, apesar de estarem fora de ordem em relação ao CD. Os fãs mais obcecados conseguiram criar uma teoria que organiza cada vídeo, mas a banda nunca confirmou nada oficialmente. Quer saber qual é a ordem e como é essa história? Fique de olho nos próximos posts da página!

03 – As capas do álbum foram desenhadas por artistas de peso

Simulation Theory tem duas capas. A primeira, da edição normal, foi desenhada por Kyle Lambert, responsável pelas artes da série Stranger Things. A segunda, da edição Super Deluxe, foi desenhada por Paul Shipper, artista que desenhou pôsteres de filmes como os novos Star Wars, Vingadores, Doutor Estranho, Star Trek, Frozen, Batman e vários outros.

04 – O álbum foi um trabalho conjunto de 4 produtores

Enquanto Drones foi produzido inteiramente por Mutt Lange, Simulation Theory tem vários nomes nos créditos. O principal colaborador foi Rich Costey, antigo parceiro da banda, que produziu a maioria das faixas do álbum. Get Up and Fight foi produzida pelo sueco Shellback (que já trabalhou com Britney Spears, Ariana Grande, Taylor Swift, Adam Lambert e vários outros artistas). Blockades e Dig Down foram produzidas por Mike Elizondo (que já trabalhou com Avenged Sevenfold, Maroon 5, Twenty One Pilots e outros). Por fim, Propaganda foi co-produzida por Timbaland (Tim Mosley), que se responsabilizou pela batida marcante da música.

05 – Propaganda tem uma referência incorreta a Harry Potter

Quem já prestou atenção na letra de Propaganda pode ter percebido algo meio esquisito. Um dos versos diz o seguinte: “You ate my soul just like a Death Eater”, que em português ficaria como “Você comeu minha alma como um Comensal da Morte”. Ué? Se você já leu Harry Potter, sabe que quem se alimenta de almas são os Dementadores (Dementors). Os Comensais da Morte (Death Eaters) são os bruxos mais leais a Voldemort. Matt devia ter feito a lição de casa e relido a série antes de escrever a letra!

06 – Break It To Me é a primeira música que tem backing vocals de Dom na versão de estúdio…

Dom é conhecido por sua incapacidade de cantar desde que sua voz desafinada atrapalhou as gravações de Blackout, do álbum Absolution. Por muitos anos, sua voz só foi utilizada em pequenas partes ao vivo. Porém, em 2018, Dom alcançou a glória: recebeu créditos por fazer backing vocals em Break It To Me, a primeira vez que seus vocais figuraram em uma faixa de estúdio.

07 – …e foi a música que Tom Morello tocou com a banda no show em Manchester

No dia 8 de junho de 2019, um dia antes de Matt completar 41 anos, ele teve a oportunidade de tocar com um de seus maiores ídolos: Tom Morello, do Rage Against the Machine. O guitarrista, que já tinha feito um show de abertura no dia, retornou ao palco para tocar um solo furioso em Break It To Me, cuja sonoridade já tinha sido inspirada por ele. Com certeza um momento que Matt nunca irá esquecer!

08 – Something Human tem um significado bem direto

Matt disse que escreveu essa música ao final da Drones World Tour, uma sequência muito longa e cansativa de shows ao redor do mundo. Todos estavam exaustos e querendo voltar para casa, e isso levou Matt a compor essa letra tão direta e clara sobre querer estar de volta ao lar. A melodia leve no violão também foi um sinal de cansaço do som pesado de Drones.

09 – A origem de Get Up and Fight é bem triste

Em uma entrevista, Matt revelou que escreveu a música para um tio do lado materno, que na época estava sofrendo de câncer. Infelizmente, ele veio a falecer alguns meses depois do lançamento do álbum.

E se você não sabia, o vocal feminino na música é da cantora sueca Tove Lo!

10 – O refrão de Blockades é inspirado em uma peça de Chopin

As referências a músicas clássicas continuaram com Simulation Theory. O refrão de Blockades segue a mesma melodia do início da Op. 25 No. 12 de Chopin, também conhecida como Ocean Etude.

11 – A versão alternativa de Dig Down é a original, e foi gravada em 6 semanas

Entre o início da composição e o lançamento de Dig Down, se passaram apenas 6 semanas, um tempo bastante curto em questão de produção musical. A primeira versão era bem mais gospel, com instrumental acústico, e acabou se tornando a versão Alternate Reality. O resultado final que está no CD 1 de Simulation Theory surgiu após a banda substituir vários elementos acústicos por partes mais eletrônicas.

Written By

Aqui tem informação! Tradução também. E umas coisas a mais.

Leave a Comment

%d blogueiros gostam disto: