Tudo sobre a banda britânica Muse formada por Matt Bellamy, Dom Howard e Chris Wolstenholme.

Instagram Facebook Twitter

[TRADUÇÃO] COMO É O NOVO ÁLBUM DO MUSE, POR RICHARD PHILIPPE

 

‘Drones’, o sétimo álbum do trio britânico, estreia 08 de junho, com 12 faixas sobre o tema de liberdade, e um projeto conceitual gravado no Canadá. ‘Drones’ foi gravado em Vancouver pelo produtor Robert “Mutt” Lange (AC.DC, Def Leppard, Maroon 5…). Ele contém doze faixas e este é o primeiro álbum do Muse que adota um estilo de disco conceitual, com um elo comum do início ao fim.
Não surpreendentemente, o tema é o controle, opressão, liberdade, desumanização, e as grandes obsessões conspiratórias, do cantor e guitarrista Matthew Bellamy, que reúne temas paranoicos espalhados em álbuns anteriores.

 

“Voltamos para o som de nossas origens”, diz Matthew, em todas as entrevistas. Realmente?

 

 

‘Dead Inside’

 

O primeiro single, disponível desde 23 de março. Um título eletro-pop, com um baixo bruto saturado e notavelmente um pouco de guitarra (bem, com sua guitarra reconhecível).
Matthew eleva muito sua voz a um Freddie “Queen” Mercury.

Pensa-se estar na presença de uma canção de amor, o narrador reverenciando uma figura feminina preocupante, sendo “zumbificada” (“Sua pele é quente sob a carícia, eu vejo magia em seus olhos. Do lado de fora você parece viva, mas você está morta por dentro”). No final da canção, o herói também sucumbe a uma transformação (“Você me ensinou a mentir sem deixar vestígios, para matar sem remorsos. Do lado de fora, eu sou um cara legal, mas estou morto por dentro”). Ele se dirige a uma mulher ou uma imagem personificada de poder?

 

 

‘Drill Sergeant’

 

Como o próprio título indica, é um interlúdio de como sargentos instruem seus soldados.

 

 

‘Psycho’

 

A música foi colocada on-line em março, durante o anúncio do novo álbum:

“Para mim, drones são metaforicamente psicopatas que permitem um comportamento psicótico sem nenhum intermédio”, escreveu Matthew. “O mundo é dirigido por drones, usando drones, a fim de todos nós transformarmos em drones. Este álbum explora uma viagem de um ser humano, sobre abandono e perda de esperança à sua doutrinação pelo sistema para se tornar um drone humano, e sua possível deserção”.

 

Riff pesado de guitarra para ilustrar a embalagem de drones humanos. No refrão, sua voz foi estranhamente numa rotatória distorcida sobre as palavras “fucking psycho”.
O baixo inicia em uníssono com guitarra, para um som grandioso com espírito dos anos setenta. O final tem um pedaço muito “orquestral” como Muse ama.

 

 

‘Mercy’

 

Piano e baixo. O herói implora misericórdia, mas os “homens máquina estão tentando devorar sua alma.” Deuses tirânicos ausentes e em silêncio pelo caminho, enquanto Matthew joga duro com os seus efeitos que geram arpejos (é a execução sucessiva das notas de um acorde) nervosos.

 

 

‘Reapers’

 

Uma pequena demonstração tapping (guitarrista usa as duas mãos sobre o braço da guitarra para gerar um ultra-rápido solo) e um riff muito inspirado por Rage Against The Machine. Os efeitos whammy (efeitos produzidos nos pedais da guitarra elétrica), e tipo de propriedades de fluxo são equilibradas em todas as direções.

 

 

‘The Handler’

 

Bateria lenta como um paquiderme, e tambores, riff de guitarra melódica. O herói começa a se rebelar. A voz de falsete. Um dos títulos mais próximos a álbuns de rock progressivo. No meio da música, um solo no estilo de “Angus Young” (AC / DC). Um aceno
para o produtor? Uma nota de humor? Aparentemente, não foi voluntária.

 

 

‘JFK’

 

A reprodução de um discurso de John Fitzgerald Kennedy, um sistema secreto de opressão e tirania. Ele fala da CIA ou uma conspiração global, como Matthew ama. Não necessariamente no discurso
original, ele evoca a URSS.

 

 

‘Defector’

 

Muitos, muitos coros à rainha. Mas, então, realmente a Rainha. Aqui, o herói é “livre”. “Você não pode me fazer uma lavagem cerebral”, disse ele. “Você não pode me controlar.” Matthew acumula imagens, e um colorido (“Seu sangue é azul, sua mente voltou-se para verde e sua barriga é amarela”). Explícita, mas para a poesia, exigirá repetir a faixa.

 

 

‘Revolt’

 

O herói solta um grito de revolta como uma balada (“Nossa liberdade é apenas as taxas de empréstimo usurárias, controladas por loucos e drones”) Uma das canções mais pop, não muito longe de ‘With or Without You’ de U2. A voz é estranhamente tratada com brutalidade e às vezes se divide entre agudos. Mas aqui é o refrão mais legal do disco.

 

 

‘Aftermath’

 

Uma lufada de vento distante na desolação. Em seguida, um sintetizador com violinos se desdobram.
As baladas na guitarra ao estilo de Jimi Hendrix: “É você e eu contra o mundo, nós somos livres … Unidos numa luz vacilante, subindo mais alto ainda.”

 

 

‘The Globalist’

 

Uma melodia assobiada com um ocidental Ennio Morricone (musa do Morricone, por vezes usado para anunciar sua fase de entrada), violinos, um ritmo de bolero, uma longa introdução, uma guitarra em Floyd. É no espírito do grande vilão que controlava todos os drones. Ele jogou todas as bombas à sua disposição, e quase destruiu a humanidade. Título adota um tom épico. No final, a entidade
ditatorial se desculpa pela frente: “Eu só queria ser amada.”

 

 

‘Drones’

 

Um tom em à cappella, enquanto temos camadas de voz superposta e atmosfera espiritual. Matthew resume seu ponto. E tudo termina com um “Amém”.

 

 

Conclusão (Richard) : Musicalmente, o álbum é variado, com o que se espera de grandiloquência. Fãs do Muse podem se decepcionar. Mas o cenário deste álbum conceitual é esperado, até mesmo infantil. Como algumas das óperas imortais, os fiéis se oporão. A menos que haja uma dose de ironia nas palavras.

 

Fonte : L’édition du Soir

PS : Richard é jornalista e crítico musical do jornal Quest-France.

 

 

O que pensar sobre isso tudo? Vamos festejar? Vamos nos matar? Esse álbum precisa sair logo!

 

alegriaaa

 

Written By

Drone trilingue de inglês, francês e espanhol, raptado de outro dono e caçador de notícias nível expert. Programado para ser extremamente educado e gentil.

Comments: 7

  • Sérgio Matheus

    19 de maio de 2015
    reply

    Senti falta de Reapers e Mercy…
    E, bom, minha opinião é que, de todas as 4 músicas que saíram ao público, eu gostei de excepcionalmente de TODAS! Tendo minha favorita já como Dead Inside dessas 4 (Reapers, Psycho, Dead Inside e Mercy)(Apesar de Reapers ter tocado num show e não ter um áudio tão claro pra ter entendido tudo).
    Tô esperando muito o álbum, tanto que tô dividindo meu 2015 em “Antes de Drones” e “Depois de Drones” :v
    Além de que Muse é uma relação de amor em ódio que no fim vira só amor. Você tem que aprender a gostar, tem que aprender a ouvir. Até então eu não gostava de Supermassive Black Hole, Undisclosed Desires e algumas B-Sides, foi ouvindo várias vezes que eu aprendi a gostar. Pode vir a ser a mesma coisa com algumas músicas desse novo álbum.

  • Letícia Marcena

    19 de maio de 2015
    reply

    To sentindo q vou amar esse álbum

  • Louszem Oliveira

    19 de maio de 2015
    reply

    No aguardo, tô interessada em Afthermath e The Handler.

  • Leonardo Mello

    19 de maio de 2015
    reply

    tem que corrigir o Drill Sergeant… faltou o A

  • Brenda Carvalho

    19 de maio de 2015
    reply

    Eu sou do tipo de Muser que gosta de tudo que o Matt canta. Mesmo não gostando eu gosto hehe E sinceramente to sentindo, do fundo da minha alma, que vou amar!

  • Alexandre Ziolkowski

    19 de maio de 2015
    reply

    ótima matéria.

  • Gisele Oliveira

    19 de maio de 2015
    reply

    “Expelliarmus” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…tô morrendo!
    Ok, quando ele fala do álbum ser infantil, bem, esses temas frequentemente conspiratórios, exagerados e abstratos que o Bellamy gosta de abordar acabam dando um tom um tanto infantil e ridículo pra banda sim, não sei se sou só eu que vejo isso…mas, sinceramente, acho isso até uma qualidade. O Muse é uma banda muito pretensiosa, mas ao mesmo tempo eles também não se levam à sério, e essa é uma das razões pra eu gostar deles. São loucos disfarçados de gênios, ou seria o contrário?

Leave a Comment

%d blogueiros gostam disto: