Tudo sobre a banda britânica Muse formada por Matt Bellamy, Dom Howard e Chris Wolstenholme.

Instagram Facebook Twitter

DEAD INSIDE!

 
Não foram poucos os que se encontraram em um leve conflito de expectativas ao ouvir a Single prometida ‘Dead Inside’. Diferente do esperado, a música não seguiu a linha de ‘Psycho’ e ‘Reapers’ (compramos um pato e recebemos um ornitorrinco?) e bandeou para uma evolução bastante digna… E diferente.

Entre a Equipe MUSE BR, predominaram as comparações com um Rock 80’s e até uma proximidade com Depeche Mode. E, sim, indiscutivelmente, nos deparamos com uma letra cuidadosamente trabalhada e intensa, que combinada à voz do Bellamy – sensual sem censuras – nos leva facilmente à identificação de certa situação vivenciada. Embora não fuja do tema ‘Drones’, o sentimental agiu forte em Dead Inside. Sabemos que será a música de abertura do álbum, e que depois dela vêm [Drill Sergeant] e Psycho. Pensando nesse contexto, a letra de Dead Inside fala sobre a desilusão amorosa que deixa o caminho livre para a dominação das forças obscuras que ouvimos em Psycho. Sem essa desilusão, não seria possível transformar um soldado em um assassino psicopata. A música possui uma letra madura como você poderá conferir abaixo:

 

 

Dead Inside – Letra

 

Revere a million prayers
And draw me into your holiness
But there’s nothing there
Light only shines from those who share

Unleash a million drones
And confine me then erase me babe
Do you have no soul?
It’s like it died long ago

Your lips feel warm to the touch
You can bring me back to life
On the outside you’re ablaze and alive
But you’re dead inside

You’re free to touch the sky
Whilst I am crushed and pulverised
Because you need control
Now I’m the one who’s letting go

You like to give an inch
Whilst I am giving infinity
But now I’ve got nothing left
You have no cares and I’m bereft

Your skin feels warm to caress
I see magic in your eyes
On the outside you’re ablaze and alive
But you’re dead inside

Feel me now
Hold me please
I need you to see who I am
Open up to me
Stop hiding from me
It’s hurting babe
Only you can stop the pain
Don’t leave me out in the cold
Don’t leave me out to die
I gave you everything
I can’t give you anymore
Now I’ve become just like you

My lips feel warm to the touch
But my words seem so alive
My skin is warm to caress
I’ll control and hypnotise
You’ve taught me to lie without a trace
And to kill with no remorse
On the outside I’m the greatest guy
Now I’m dead inside

 
 

Dead Inside – Tradução

 

Reverencie um milhão de preces
Leve-me ao que é sagrado em você
Mas não há nada aí
A luz só brilha naqueles que sabem se dar

Libere um milhão de drones
Me confine e me apague amor
Você não tem alma?
Parece que ela morreu há muito tempo

Seus lábios são quentes quando toco
Você me traz de volta à vida
Por fora você pega fogo e está viva
Mas está morta por dentro

Você é livre para tocar o céu
Enquanto eu estou esmagado e pulverizado
Porque você precisa controlar
E agora sou eu que estou desistindo

Você gosta de dar um centímetro
Enquanto eu estou dando o infinito
Mas agora não tenho mais nada
Você não tem preocupações
E eu estou acabado

Sua pele é quente quando acaricio
Vejo mágica nos seus olhos
Por fora você pega fogo e está viva
Mas está morta por dentro

Sinta-me agora
Abrace-me por favor
Eu preciso que você veja quem sou
Abra-se para mim
Pare de se esconder de mim
Está doendo, amor
Só você pode parar a dor
Não me deixe aqui fora no frio
Não me deixe aqui para morrer
Eu te dei tudo, não posso dar mais nada
Agora eu fiquei como você

Meus lábios são quentes quando você toca
Mas minhas palavras parecem tão vivas
Minha pele é quente quando você acaricia
Eu controlo e hipnotizo
Você me ensinou a mentir sem deixar vestígios
E a matar sem remorso
Por fora eu sou o cara
Agora estou morto por dentro

 

 
Muse angariou sua fama e renome não por refrões surrados, shreds tecnicamente perfeitos, ou baladas que seguem o mesmo ritmo. Muse é engenharia do som. Não esqueçamos a apresentação de Bliss, no Bizarre Festival, que misturou uma progressão de arpeggios de sintetizador com acordes rasgados e precisos na guitarra. Muse não criou um estilo para si, se reinventa a cada letra, cada “riff”, cada ritmo. Dead Inside é, para muitos, a “quebra do movimento punk” que a banda tanto prometeu. Mas será mesmo?
Matt Bellamy deixou bem claro que não está interessado em replicar os sons antigos da banda, e sim que fez uma regressão à mentalidade que o conjunto apresentava na época. Um Muse ousado, que não tinha medo de plugar a voz do vocalista direto num Marshall, ou de colar um pedal Fuzz Factory direto na guitarra com fita adesiva.
Muse sem reinvenção não é Muse.

Written By

A equipe mais animada, doida, faladeira e confusa que um fã clube de Muse poderia ter. Nós amamos Muse de todo o coração assim como (a maioria) dos seus fãs. A dedicação é de coração.

Comments: 16

  • Luis Felipe Alves Herrera

    23 de março de 2015
    reply

    a música é demais, eu ouvi umas 4 vezes pra aceitá-la, não porque ela é ruim mas sim porque a expectativa estava exatamente ao contrário! Mas o massa é a capacidade desses três de fazer algo cru ficar muito bom como em Psycho, e de seguir o fluxo do 2nd Law e ficar muito bom também!!! (Como diz a Taylor Swift, Quem odeia vai odiar, shahsau’ é a vida)

  • Mandy Cordovil

    23 de março de 2015
    reply

    Ótima avaliação! “Muse sem reinvenção não é Muse.” (y)

  • João Henrique

    23 de março de 2015
    reply

    Eu gostei. Muse não é preso à só uma coisa. Psycho lembra Origin e um pouco de Black Holes. Já Dead Inside lembra 2nd Law e Absolution. Mas todas as duas não têm pretensão à relembrar do passado, e sim criar um ar para o futuro! Ah, falta algo com a cara do Showbiz (meu preferido) e Resistance.

  • Gisele Oliveira

    23 de março de 2015
    reply

    Gostei bastante da música! Como vocês frisaram, uma das maiores qualidades do Muse é não ter um estilo definido e sim uma mistura ordenada de tudo que vem à cabeça deles, lembro que quando comecei a pegar as músicas deles pra ouvir eu estranhei muito algumas músicas por serem totalmente diferentes (até a voz do vocalista) das que eu estava acostumada (odiei New Born quando ouvi a primeira vez e hoje é uma das minhas favoritas). Mas agora já estou vacinada e podem colocar o Bellamy cantando até atirei o pau no gato que eu vou gostar kkkk…brincadeiras à parte, existem alguns fãs mimizentos que precisam perceber que Muse é essa porra toda!

  • Rayane Santos

    23 de março de 2015
    reply

    Mistura de Madness com Panic Station. Achei massa!

  • Jane Bells

    23 de março de 2015
    reply

    A resenha está ótima. Minha opinião sobre essa música ainda é muito confusa, eu gosto mas to tendo dificuldade em encaixar ela no Muse. Realmente eu esperava algo diferente deste single, pelo nome eu meio que esperava que não fosse pesada mesmo. Mas ela é upbeat com uma letra tao negativa emocionalmente que faz eu me sentir estranha, rs. No entanto não vou julgar o álbum só porque essa música não é o que eu esperava. Ainda acredito que ele será melhor que os 2 anteriores, não que eles sejam ruins, só não são os melhores

  • Brenda Araújo

    23 de março de 2015
    reply

    muse a 5 anos atras era a melhor banda
    com estilo progressivo. agora mudou total o estilo dos antigos albums.. pois agora tem um novo publico alternativo..

  • Filipe Branco

    23 de março de 2015
    reply

    Achei muito 2nd Law meets Absolution/Black Holes. O que é óptimo!! A música é muito boa. É musástica!!! ahahah 😀 Gosto mais do estilo de Psycho, mas não tem como comparar. São músicas opostas. E como disseram: “Muse sem reinvenção não é Muse”. Até agora das três que ouvimos deste álbum, gostei muito mesmo. Por isso estou cada vez mais ansioso para ouvir Drones na íntegra. 😀 😀 😀

  • Higor Bessa

    24 de março de 2015
    reply

    Se puderem, deem uma olhada neste basscover de Dead Inside que meu amigo Alexandre Ribeiro fez!
    http://youtu.be/15ivPHrXmhg

  • Leonardo De Lara

    24 de março de 2015
    reply

    A música está incrível. Foi muito diferente do que eu esperava!!

  • Graça Ribeiro

    24 de março de 2015
    reply

    Muse é muse. O resto que se fod# à musica é ótima. Agora não sei pq, mais esse início me lembrou o Super Mário Bros, enfim…chega logo outubro!!

  • Graça Perez

    24 de março de 2015
    reply

    Por enquanto Dead Inside é a melhor música. Ela traduz e revela quem é Muse. Arrepiante!

  • Eliane Kkll

    25 de março de 2015
    reply

    A ♥ M ♥ E ♥ I

  • Allison Di Maria

    28 de março de 2015
    reply

    Dead Inside é Incrivelmente Fantástica!
    Não Consigo Parar De Ouvir!
    Psycho Tbm é MUITO Boa!
    Muse,A Cada Album Consegue Continuar Sendo MUSE!
    Tbm Tive Uma leve Comparação Dessa música Com O Depeche Mode!
    MUITO BOA!!!

  • Nanda Bloisi

    31 de março de 2015
    reply

    A música é incrível, viciei tanto nessa música, que msm quando não a estou escutando, ela continua “tocando” na minha cabeça.

  • Nanda Bloisi

    31 de março de 2015
    reply

    A música é incrível, viciei tanto nessa música, que msm quando não a estou escutando, ela continua “tocando” na minha cabeça.

Leave a Comment

%d blogueiros gostam disto: