Tudo sobre a banda britânica Muse formada por Matt Bellamy, Dom Howard e Chris Wolstenholme.

Instagram Facebook Twitter

A playlist de quarentena de Matt Bellamy

Até Matt Bellamy está procurando maneiras de passar o tempo durante o isolamento social provocado pela pandemia do coronavírus. E como nós, meros mortais, ele também tem uma playlist para esses momentos!
Em entrevista exclusiva com Zane Lowe para o Apple Music, Matt Bellamy compartilha sua playlist de quarentena e como tem lidado com esse momento tão difícil para a humanidade.

“Com o isolamento, parece que estamos vivendo em uma realidade alternativa. Fico lembrando de shows que fizemos em estádios, de subir no palco com aquela minha luva besta e dar de cara com 80 mil pessoas. Às vezes eu me questiono se isso aconteceu mesmo, e é difícil compreender que foi só seis meses atrás.”

Escute a playlist no Spotify, ou clique no título de cada música na lista para ouvi-la no YouTube!

Matt Bellamy – Tomorrow’s World

“Minhas músicas têm conexões fortes com certos momentos de minha vida, então eu quis escrever uma que me lembrasse dos tempos [de quarentena]. Já escrevi muitas músicas apocalípticas que surgem de ansiedade ou preocupação, mas às vezes disso também surge um otimismo.
Músicas como Apocalypse Please e Take A Bow soam como o fim do mundo, mas também escrevi músicas como Invincible, em que existe um tipo de otimismo e esperança nas águas turvas da ansiedade. Séria fácil para mim escrever mais uma música de juízo final do fim do mundo, mas vou deixar essas pro próximo álbum do Muse, agora não é o melhor momento pra elas.
[Sobre lançar Tomorrow’s World como música solo e não como Muse]: É uma música pessoal e íntima que gravei sozinho, então fez sentido apresentá-la assim.”

Young Fathers  – In My View

“Dom é meu influenciador, sempre me mostra o que está na moda. Antes de vir aqui pedi para ele me mandar umas músicas, e Young Fathers estava no topo da lista. Ouvi algumas músicas e achei essa muito legal.”

Solomon Burke – Cry To Me

“Quando Jamie [Davis] e eu estávamos procurando músicas para nossa banda The Jaded Hearts Club, começamos a escutar Motown [gravadora que ajudou a criar black music nos anos 50] e soul, e essa foi uma das músicas que ouvimos.
Mas também porque eu estava vendo um documentário no Netflix sobre making of de filmes, e um deles era Dirty Dancing. Eu tinha assistido pela última vez com uns 14 anos, então fui ver de novo. E quando eles vão dançar, parece outro mundo, diferente do atual. Não sou muito de sair, mas a ideia de poder ir para uma balada e dançar com outras pessoas me deixou com vontade de poder fazer isso agora mesmo.”

Grimes – Violence

“Ela é fascinante. Eu a vi com Elon Musk em um Burning Man, os dois usando fantasias esquisitas. Na minha cabeça ela vive em uma nave espacial indo para Marte. A música dela soa como isso, o espaço, coisa de sonho.”

Beach House – Somewhere Tonight

Demob Happy – Autoportrait

“Sempre fico de olho no que há de novo e moderno no rock, com guitarras, algo que parece estar em extinção. As pessoas ainda amam rock.
Temos uma geração de pessoas que podem produzir qualquer coisa sozinhas com um laptop. Mas ter uma banda ainda é importante para ter alguém com quem conversar, trocar ideias, ter um elemento de democracia. Para mim, pessoalmente, é importante também porque meus colegas são meus melhores amigos de infância, compartilhamos todos os momentos mais importantes de nossas vidas. Essa parceria e amizade é algo que pode vir com uma banda.”

Weezer – I Love the USA

“Sou fã de Weezer desde a infância, eles influenciaram como toco guitarra. E é incrível como eles estão produzindo agora, toda vez que abro o Spotify deles tem algo novo.
Não sei como essa música não foi um sucesso estrondoso, a produção parece de música da Adele. Para mim é a melhor faixa que Weezer lançou esta década.”

Wild Beasts – Big Cat

The Jaded Hearts Club – This Love Starved Heart of Mine (It’s Killing Me)

“Temos um amigo chamado Jamie que quis comemorar o aniversário organizando um show cover de Beatles. E tocamos. Estávamos eu, Sean Payne do Zutons, Chris Cester, Miles Kane. Era para ser só por diversão, mas deu tão certo que começamos a fazer outros shows.
Eu amo tocar o baixo, é um ótimo instrumento, e linhas de baixo me empolgam.”
Zane pergunta se é verdade que Dom descobriu a existência dessa banda porque Matt estava no avião fretado deles carregando um baixo e ouvindo música antiga no fone de ouvido.
“Sim, foi isso! Dom e Chris até tocaram com a gente. Dom tocou no nosso show com o Paul McCartney. Foi 100% espontâneo. Iríamos nos apresentar no aniversário da Stella McCartney e descobrimos na hora que Paul e Ringo estavam lá. Iríamos tocar covers dos Beatles na frente dos Beatles! Todos ficaram pálidos de medo. No meio do show, Paul subiu no palco pegou o microfone.”

Tame Impala Lost in Yesterday

“Kevin Parker cria sons incríveis e tão únicos. Você escuta e pensa ‘deve ser Tame Impala’. Conheci ele com Elephant, achei super legal e achei que era alguma banda nova. Aí você ouve uma música como esta e escuta uma linha de baixo tão elaborada e uma bateria esquisita. É bem diferente do som mais ‘rock’ que ouvi na primeira vez.”

Nina Simone Ain’t Got No, I Got Life

Uma das minhas cantoras favoritas na adolescência. Ela e Jeff Buckley têm vozes únicas, uma qualidade andrógina, você ouve e não sabe se é um homem ou mulher. Não importa, claro. Eu gosto dessa voz bem intermediária, etérea. E a luta política dela é fascinante também.”

Jamo Thomas I Spy (For The FBI)

“Voltando pra Jaded Hearts Club, estávamos procurando soul do norte do Reino Unido. Eram artistas influenciados pelo som Motown. Acabei descobrindo durante a pesquisa e encontrei essa música esquisita.”

Pale Waves There’s a Honey

“Tenho um estúdio em Santa Monica que é vizinho ao estúdio do Rich Costey. Quando eu estava gravando Tomorrow’s World, via eles entrando e saindo do estúdio do Rich, mas a produção foi interrompida por causa do isolamento social.
Foi uma situação esquisita ver as ruas gradualmente ficando cada vez mais desertas pela janela. Uma situação interessante.
Mas fiquei feliz quando vi Pale Waves de volta ao estúdio com o Rich, todos usando máscaras! E quero ver se o álbum novo deles vai ter alguma influência da situação atual.”

Jordan F Let’s Cruise

“Essa música era parte da nossa playlist pré-show da última turnê. Tocava bem quando eu estava embaixo do palco me preparando para começar. Toda vez que escuto essa música me vem o pensamento ‘ah, vamos começar o show!’
Nosso último álbum teve uma forte influência synthwave, e essa é uma das minhas músicas favoritas do gênero.”

The Specials Ghost Town

“Um som brilhante. Essa música me lembra de Teignmouth, nossa cidade natal, que parecia virar uma cidade fantasma durante o inverno. Todos os turistas sumiam, os restaurantes fechavam. Essa música me faz lembrar daquela época.”

The Strokes At The Door

“Amo The Strokes, já joguei tênis de mesa com o Julian Casablancas. Achei que eu jogava bem, mas ele me destruiu!
O novo álbum é ótimo, adorei os sintetizadores. E esta música é cheia de teclados, um som retrô.”

Written By

Aqui tem informação! Tradução também. E umas coisas a mais.

Leave a Comment

%d blogueiros gostam disto: