Tudo sobre a banda britânica Muse formada por Matt Bellamy, Dom Howard e Chris Wolstenholme.

Instagram Facebook Twitter

MUSE no Brasil? Eu FUI!!! Parte #2

(Já leu a Parte #1?)

Dia 13/04 – Quarta-feira

Minha quarta-feira começou muito cedo: às 3h30 eu já estava me levantando! Até podia ter dormido mais uns 30 minutinhos, já que minha carona tinha ficado de me pegar às 5h, mas a ansiedade que tomava conta de mim não me deixava ficar quieta na cama. Antes das 5h minha amiga ligou e disse que havia se perdido no caminho até onde eu estava, então lá fui eu me jogar na maratona metrô-ônibus as 5 e pouco da matina.

Quando cheguei à fila e encontrei minha amiga, tivemos certeza de que naquele dia conseguiríamos ficar no Inner Circle e bem pertinho do palco. Tivemos que lutar muito para preservar aquele status de primeiros da fila: MUITA gente cara-de-pau tentava furar a fila, mas felizmente os fãs ali juntaram as forças e lutaram contra esse tipo de gente, o que achei muito legal!

A fila dos portões 2 e 18. E minha entrada, no portão 18, bem ao lado!

Como já era de se esperar, o dia se arrastou vagarosamente. Cinco minutos demoravam uma hora inteira para passar, ou assim me parecia. Quando finalmente abriram os portões eu já estava suando de ansiedade, e na correria de pegar um bom lugar, me perdi de todos que estavam à minha volta, as pessoas que havia conhecido ali mesmo, e me perdi também da minha amiga, que entraria por um portão diferente do meu.

Quando eu finalmente corri para dentro do Inner e vi o lugar onde eu me encontrava, chorei por uma hora inteira. Eu estava a menos de 10 metros do lugar onde Matt Bellamy estaria cantando dali algumas horas. Eu chorava e não havia ninguém por perto para compartilhar aquela alegria comigo…

O momento "não tem ninguém pra chorar comigo?"

E se na fila do lado de fora parecia que o tempo estava demorando mais a passar, quando eu estava lá dentro parecia que o tempo havia parado. Seriam mais de 4 horas de espera interminável! Dediquei boa parte desse tempo planejando o que faria depois do show, muito embora já estivesse praticamente tudo combinado com uma muser que eu conheci na internet: sairíamos logo depois do show do Muse e iríamos para o hotel em que eles estavam hospedados para esperar por eles! A espera foi sofrida: estava muito calor, estava muito apertado, eu tinha vertigens por causa do tamanho da minha emoção e por causa da provação de ficar na fila por oito horas e pela falta de sono. Eu estava morrendo de sede e morrendo de vontade de ir ao banheiro, mas não podia me deixar vencer por isso. Finquei o pé e não saí do meu lugar.

Quando faltavam minutos para o show, pedi à pessoa que estava em minha frente que cedesse seu lugar para mim, pois eu tinha ido ali só para ver Muse, e contei que iria embora depois do show deles. Falar isso em voz alta rendeu várias exclamações de incredulidade das pessoas ao meu redor, mas eu sabia que eles não conheciam Muse e não sabiam que tipo de sentimento a música deles poderia causar em uma pessoa. Depois de convencer o cara a me ceder o lugar, passei os últimos minutos antes do show falando sobre a banda e contando fatos banais sobre os integrantes. Fiquei feliz de encontrar ali na frente a Simone, do Franz Ferdinand Brasil que, embora não seja uma muser enlouquecida como eu, pelo menos era ‘the next best thing’!

Quando as luzes se apagaram, novamente começou a tocar Dance of the Knights e eu, que achei que não poderia ficar mais emocionada do que já estava, comecei a me derreter em lágrimas. Ao ver a banda entrar e ouvir os primeiros acordes de Citizen Erased, tive a certeza de que fiz o melhor negócio do mundo ao comprar ingressos para os três shows, mas tive a certeza de que aquele seria o melhor.

Matt seduz a todos com Citizen Erased!

Nesse dia, senti a banda muito mais ousada e confiante de que o que estavam fazendo (conquistando fãs) estava dando certo. Poder ver cada expressão do rosto do Matt ao cantar foi muito surreal e por várias vezes eu ficava completamente parada com olhos vidrados contemplando a beleza daquilo tudo. Logo após Citizen Erased, com direito a piano no final, veio Uprising e percebi, pelas pessoas que estavam perto de mim e pelos ecos que pude ouvir de onde estava, que as pessoas já respondiam à ela como fãs, pulando, cantando e gritando.

Depois de Uprising eu tive dificuldade para atinar aqueles acordes que me soavam tão familiares, mas a emoção do momento me fez demorar a perceber que aquela música era Bliss, que durante muito tempo foi a minha preferida e que eu tinha uma vontade enorme de ouvir ao vivo e que naquele momento eu estava realizando esse sonho. Arrepios subiram pela minha espinha quando Matt cantou os falsettos no último refrão e eu tinha a certeza que aquela seria a melhor noite de todas. Depois disso, a setlist seguiu como esperado, sem mais surpresas, com Resistance, United States of Eurasia, Time is Running Out, Starlight e Knights of Cydonia. Mas nesse dia Matt estava muito mais ousado em seus movimentos, em suas atitudes. Durante um riff um pouco mais longo, ele atravessou a ponte, andou pela passarela até a frente da pista em uma atitude de quem sabe que o que faz é música de qualidade e não importa se você veio ou não para nos ver, é impossível nos ignorar! Meu amor e admiração por eles cresceu a níveis incontáveis. Ver tão de perto a habilidade do Dom com as baquetas, o pescoço de borracha do Chris cada vez que ele começava aquele headbanging insano e poder ver as mãos incrivelmente hábeis de Matt com a guitarra é sonho de todo muser, e naquela noite eu estava vendo tudo isso de muito perto. A perfeição na execução da música era simplesmente surpreendente, muito embora eu não esperasse outra coisa da parte deles.

Novamente Man With the Harmonica anunciou o inicio do fim e todos à minha volta já estavam na expectativa de Knights of Cydonia e toda sua epicness. Depois da intro, Chris jogou sua gaita para algum sortudo na plateia à sua frente e eu já sabia que ele havia feito o mesmo nos outros shows. Mas ver o sorriso em seu rosto de tão perto foi impagável.

Chris fazendo o que ele faz de melhor: tocar baixo e headbang!

Quando a música acabou e a banda começou a se despedir do público, comecei a me sentir triste de verdade pois agora tinha, de fato, acabado!

E foi nesse momento que ele (Bellamy) olhou em minha direção e acenou para mim, pedindo que eu abrisse o meu cartaz. O meu coração parou, mas eu abri o cartaz e ele riu. Ah, que delicia! Ele deu uma piscadela para mim, se agachou na beira do palco e chamou o segurança que estava perto de mim, apontando em minha direção diversas vezes e dizia que era para ele entregar a palheta na minha mão. E então ele passou a palheta que ele havia usado no show, e que ainda estava em sua mão, para o segurança, que a repassou para mim. No mesmo instante minhas pernas falharam, mas eu ainda consegui gritar um “Thank You”. E então ele se foi.

O momento em que Matt me entregava a palheta, capturado no telão pela @jaddymary. Obrigada, garota!

Depois disso ficou tudo muito confuso, as pessoas à minha volta falavam comigo, mas eu não conseguia ouvir o que elas diziam. Tiraram várias fotos de mim com a palhetinha desejada e foi então que eu percebi que eu precisava sair dali, pois estava a ponto de desmaiar. Eu olhei aquele mar de gente atrás de mim e entrei em pânico! Falei com o segurança que precisava sair dali, pois não me sentia bem e ele disse que eu não podia passar por ali, que eu teria que atravessar a Inner e sair do outro lado. Meu pânico cresceu! Então disse à ele: “Se eu passar por ali, com certeza vou desmaiar e os bombeiros terão muito mais dificuldades para me pegar. Você não acha melhor que eu saia por aqui?” e então ele resolveu ir chamar o bombeiro para me escoltar para fora da Inner! Eu acho que só não caí porque as várias pessoas ao me redor me escoravam, mas assim que o bombeiro me puxou de lá e me colocou de pé, vi que minhas pernas não estavam funcionando, que a emoção já havia tomado conta de mim de uma maneira descontrolada. E foi então que comecei a chorar. Mais uma vez eu chorava descontroladamente enquanto o bombeiro me escorava até o ambulatório, onde eu me sentei e chorei ainda mais, pensando em tudo o que já tinha acontecido até ali.

Segundos depois de receber a palheta das mãos do Matt!

Enquanto eu estava sentada ali sozinha, pensei que a noite ainda não havia terminado e muito embora não conseguisse falar com a muser com quem tinha feito contato e combinado de sair depois do show, resolvi que não ia me deixar abater por isso. Encontrei a saída do Estádio e as pessoas me olhavam com cara de ponto de interrogação enquanto eu saía à medida que todos entravam…

Subi uma rua em direção ao ponto de ônibus e foi caminhada o suficiente para perceber que naquele meio tempo não havia passado nenhum ônibus. Então fiz sinal para o primeiro taxi que passou e segui em direção ao hotel. Enquanto isso eu ouvia o Morumbi ir à loucura com o inicio do show do U2. Nem me abalei. O que eu queria fazer era mais importante.

Quando saltei do táxi em frente ao hotel, estava tudo muito tranquilo e só havia um segurança em frente às barreiras. Perguntei a ele se Muse já havia chegado, e ele me olhou com cara de quem não sabia do que eu estava falando. Tive que explicar que Muse era a banda que estava fazendo a abertura dos shows do U2 e então ele pareceu se lembrar de alguma coisa, mas disse que eles não haviam chegado ainda. “Ótimo!”, pensei comigo. Isso me deu tempo de me preparar: peguei o cartaz do show, dobrei ao meio e escrevi “MUSE”, deixei minha máquina fotográfica no bolso, junto com a caneta que eu queria que eles usassem para autografar meus encartes de Resistance ou Absolution.

Fiquei sozinha em frente ao hotel por mais de uma hora quando então chegaram alguns fãs do U2 e se reuniram do outro lado da calçada. E depois disso ainda demorou muito tempo até que alguém do outro lado chamou minha atenção, depois que uma van azul com insufilm parou na porta do hotel, mas eu não pude ver as pessoas que desciam dela. Alguém gritou para mim: “Corre lá! Eles chegaram!”. Eu olhei para o segurança com cara de súplica e ele só me disse “Por favor, não faça escândalo!” e então eu corri!

Quando finalmente consegui chegar até a porta do hotel, vi que quem havia chegado era apenas o Dom e o Morgan, e não a banda inteira, e que eles já estavam DENTRO do hotel. Não me contive e o chamei pelo nome, acenando para que ele voltasse para fora. A princípio ele me olhou meio confuso, mas então sorriu, deu meia volta e saiu.

Domzito rindo muito do meu cartaz sem-noção!

Simpaticíssimo e sorrindo sempre, me deu um abraço e perguntou “Hey, what’s up!”. Eu contei à ele que tinha ido ali para encontrar com eles, que tinha assistido aos shows e ele viu que eu ainda segurava meu cartaz, então perguntou o que era aquilo. Eu disse que era o cartaz que eu havia levado aos shows, mas fiquei bem sem graça na hora de mostrar o cartaz a ele. Eu disse que era meio indecente e que eu o havia feito com a intenção de chamar a atenção e que havia funcionado. Quando ele abriu o cartaz ele exclamou “Wow!” e começou a dar risada, e o segurança dele começou a falar que havia visto o cartaz no show e que achou que a pessoa que estava com ele era meio louca… Então voltei a dizer que havia funcionado e que eu havia ganhado a palheta. Eu disse: “I wanted to get his attention, and it worked because I got the pick!” e ele brincou “But not the dick, though!” e caímos na gargalhada!

Momento "pose para a foto" mais feliz da minha vida!

Foi então que chegamos ao momento ‘pose para a foto’. Infelizmente a pessoa para quem eu passei a máquina não era muito hábil com ela, e a foto ficou terrivelmente borrada! Mas passar o braço em sua cintura e bater uma foto juntos foi um momento mágico!

Depois da foto, pedi que ele autografasse meu encarte do Resistance. Foi quando bati a mão no meu bolso e percebi que tinha perdido minha caneta. Disse a ele que ele “ia” autografar, pois eu tinha perdido minha caneta. Então ele pediu uma caneta a uma das pessoas que estava com ele e assinou meu encarte. Depois ele ainda perguntou meu nome e o escreveu (com H, muito embora meu nome seja simplesmente Cristina), desenhou um coraçãozinho e um beijinho (x).

Autógrafo do Dom, com direito a meu nome escrito com "h", coraçãozinho e beijinho!

Me aproveitei da situação para dar outro beijo e outro abraço nele antes de me despedir e ele me dizer “Cheers! Take care!”. Voltei para o meu posto tremendo de emoção, mas praticamente realizada! É claro que eu ainda queria encontrar o Matt e o Chris, mas já tinha muita sorte por ter encontrado com ele!!!

Decidi depois disso que eu não iria embora naquele momento e que esperaria por Matt e Chris. Fiquei lá fora e me juntei aos fãs do U2, que vieram falar comigo e me parabenizar por ter conseguido foto e autógrafo. Depois de uns 40 minutos vi o Morgan sair pela porta do hotel e acender um cigarro, segurando uma garrafinha de cerveja. Pouco depois o Dom saiu, segurando também uma garrafinha de cerveja e parecendo bem animado, conversando e fazendo piada, pois estavam todos rindo muito.

Juntei toda a minha coragem (que costuma ser igual a zero) e resolvi ir perguntar a ele sobre o Matt e o Chris. Mas antes que eu conseguisse chegar perto o suficiente o segurança dele me barrou, dizendo que eu já tinha meu autógrafo. Argumentei que eu queria perguntar sobre o Matt e o Chris e ele se limitou a dizer que eles estavam em um hotel diferente. A atitude dele me desarmou e eu voltei para o meu posto atrás das barreiras, mas fiquei observando até que eles saíram de lá. Depois disso peguei um taxi de volta pra casa. Feliz da vida, mas tão cansada que dormi no trajeto.

No dia seguinte eu tinha um rumor do possível hotel que o Matt estava hospedado com a Kate e talvez o Chris também, então me dirigi até lá. Devo dizer que foi bem difícil saber que eles estavam na mesma cidade, que estavam por perto e eu não sabia ONDE!!! Ao chegar ao hotel, depois de MUITO andar, fiquei rodeando para ver se tinha algum fã por perto, ou qualquer coisa parecida. Almocei no restaurante que havia em frente a ele e fiquei observando. Como não percebi nenhuma movimentação ‘suspeita’, resolvi perguntar ao segurança, que me disse que eles não estavam lá. Fiquei frustradíssima, mas a exaustão estava começando a me tomar, então fui embora.

Até agora eu não consegui descobrir em que hotel o Matt e o Chris de fato ficaram, embora isso não seja mais importante eu até gostaria de saber.

Minhas jóias! A da direita ganhei no dia 10, e a da esquerda o Matt me deu dia 13!

Tenho vários motivos para achar que cada obstáculo que atravessei, cada sacrifício que fiz foi recompensado. Faria tudo de novo e faria em dobro. Alias, posso dizer “Farei tudo de novo e farei em dobro!”. E mesmo quando penso que se eles voltarem daqui 3 anos eu já estarei com quase 36 anos e seria um pouco esquisito fazer tudo isso novamente, né? Mas quem liga afinal? Eu, com certeza, não.

 

Cristina Renó

Comments: 19

  • Jubs

    17 de abril de 2011
    reply

    que inveja do caramba ”/
    não sei se fico feliz ou triste kkkkkkk #bipolaridade_fail

  • Coltsfan

    17 de abril de 2011
    reply

    INVEJA! só! *-*

  • Laisa

    17 de abril de 2011
    reply

    Caramba, que emoção. chorei aqui e fiquei muito feliz por você *-*

  • ju_turano

    17 de abril de 2011
    reply

    Cara. SUPER parabéns! Merece muito.
    E a inveja é branca. ahahah

  • Nina Duoli

    17 de abril de 2011
    reply

    Chorei!!

    E foi nesse momento que ele (Bellamy) olhou em minha direção e acenou para mim, pedindo que eu abrisse o meu cartaz. O meu coração parou, mas eu abri o cartaz e ele riu. Ah, que delicia! Ele deu uma piscadela para mim, se agachou na beira do palco e chamou o segurança que estava perto de mim, apontando em minha direção diversas vezes e dizia que era para ele entregar a palheta na minha mão. E então ele passou a palheta que ele havia usado no show, e que ainda estava em sua mão, para o segurança, que a repassou para mim.

  • Steff

    17 de abril de 2011
    reply

    adorei Cris! vc mereceu cada momento!

  • Bianca

    17 de abril de 2011
    reply

    OMFG!

  • Thalita____

    18 de abril de 2011
    reply

    Caraca!! Estou emocionada aki, parabens Cris, vc realmente mereceu !!!

  • musemaniac14

    18 de abril de 2011
    reply

    só de ver citizen e bliss, eu não teria reação diferente, talvez tivesse desmaiado na hora mesmo, depois ainda ganhar uma palheta, “a” palheta que o matt usou no show, isso já é muito surrealmente maravilhoso pra mim e depois ainda ver o dom, VER O “DOM” de perto, de pertinho, tocar nele, tirar foto, rir com ele, conversar com ele e ter um autografo especial dele, eu não teria passado daquela noite, tería morrido momentos depois de cair na real, de felicidade exarcebada!!!
    acredite, mesmo com 36 ou 60 ou 100 tudo vale a pela pela banda que agente gosta, que admiramos, eu como vc levo muse ao estado maior na minha cabeça, na minha existencia, é a banda da minha vida, não tem comparação nem explicação lógica e por ela eu seria capaz de fazer qualquer coisa, estou realmente feliz aqui, emocionado, espero ser eu um dia a trocar umas palavras com os 3, seria demais, a realização do meu mais inimáginavel sonho falar com aqueles que idolatro tanto e perceber que são de carne e osso, gente como agente, “pessoas normais”, na verdade GENIOS, GRANDE GENIOS da música e da vida tb!!!
    me imagino ter o OOS (o album da minha vida) autografado por eles, seria maravilhoso demais… acredite Cristina vc é uma mulher de sorte, muita sorte!!!

  • Nicole

    19 de abril de 2011
    reply

    nunca ri tanto com um relato! meu Deus Cris, já pode participar daquele reality “No Limite”! hahaha
    Mas que coisa, por que o MuseBR não conseguiu as regalias de backstage, etc? Pela imensidão dos shows, organização? Porque pelo que eu me lembro, em 2008 o Muse Brasil conheceu os caras… enfim, esse lance de supporting band limita as coisas?
    Só consegui comprar para o dia 13, após madrugadas frustradas no site da T4F, infelizmente… Mas só de ter ouvido pela 1ª vez ao vivo Resistance (minha favorita do álbum), USoE e Uprising, já fiquei satisfeita! Realmente não esperava ver Citizen novamente, acho que ao meu redor só eu sabia cantar! Você acredita que fui abordada várias vezes por conta dessa camiseta do avatar? Até foto tiraram lá no inner circle!
    O que me deixa um pouquinho frustrada é o fato de que talvez nunca mais eu ouça New Born novamente… quem me dera poder ir à Inglaterra agora no meio do ano!
    Bom, agora já sabemos que as bandas hype aparecem no Bar Secreto, da próxima vez estaremos lá! hehehe No Vampire Weekend rolou entrada liberada, mas imagine o caos que seria se anunciassem que U2 iria!
    Agora conto os dias pela batalha sangrenta para compra dos ingressos para o Planeta Terra!

  • Daiane

    19 de abril de 2011
    reply

    Parabens, Cris. Fiquei muito feliz por ti e chorei bastante aqui com seus relatos!

  • Leandro

    20 de abril de 2011
    reply

    EMOCIONANTE *.*

  • dannyy

    20 de abril de 2011
    reply

    1º: Obrigada por dividir conosco suas aventuras de “muser mais invejada do Brasil”.
    Depois foi tudo liiiiiiiiindju!!! Meus olhos marejaram legal lendo esse post.
    E mais uma vez, PARABÉNS você mereceu muuuito tudo isso!

  • Iaguin

    21 de abril de 2011
    reply

    Na proxima vez me leva? ‘-‘…kk ;D Com certeza a muser mais invejada o brasil, parabens viu e vlw por compartilhar essa aventura com agente (espero q seja a primeira d varias)!

  • Allan

    22 de abril de 2011
    reply

    Muito bom, parabens
    Além de ter encontrado com Dom, recebido 1 palheta do Matt, ainda assistiu a melhor set list na minha opinião.
    Fui ao show na Argentina no dia 2, e fiquei louco quando vi que eles tinham tocado Citizen Erased,Bliss e Hysteria em São Paulo

  • Izaa.

    25 de abril de 2011
    reply

    Muuuito emocionante!! Espero passar por isso um dia viu? *o* Parabéns muser Cris o/o/o/

  • beatriztareloff

    4 de junho de 2011
    reply

    Páaaarabens menina, haha! li isso tudo ouvindo Unintended e chorei muito, porque n consegui ir aos shows =// Sortudaa! (:

  • JessicaPaolaLou

    23 de junho de 2011
    reply

    EEEEEE MENINA SORTUDA *.* EU NA SUA PELE MORRIA DO CORAÇÃO, PARABÉNS \Õ

  • Ruth Souza

    21 de dezembro de 2011
    reply

    Chorei muito quando vc contou q ele te deu a palheta,parabéns meesmo,pq no seu lugar eu teria desmaiado heiaheiah’

Leave a Comment

%d blogueiros gostam disto: